segunda-feira, setembro 01, 2008

Ângelo Carvalho - Introdução à Gravura em Metal


"Uma noite para esperar verdades de criança"


"Cuide de quem corre do seu lado"


"No momento certo"


"Paisagem para um dia de saudades"


"Pés descalços no chão de vidro"


"Solidão para o egoísmo"


De um modo geral, chama-se "gravura" o múltiplo de uma Obra de Arte, reproduzida a partir de uma matriz. Mas trata-se aqui de uma reprodução "numerada e assinada uma a uma", compondo desta forma uma edição restrita, diferente do "poster", que é um produto de processos gráficos automáticos, e reproduzido em larga escala sem a intervenção do artista.
Cada imagem reproduzida desta forma, é única em si, independentemente de suas cópias, consequentemente, cada gravura "é única", é uma Obra original assinada. O fato de haver cópias da mesma imagem, nada tem a ver com a questão de sua originalidade. Ao contrário disso, a arte da gravura está justamente na perícia da reprodução da imagem, na fidelidade entre as cópias, este é um dos fatores que distinguem o artista "gravador".
Existem vários tipos de gravura, ou, técnicas distintas de reproduzir uma Obra. As mais utilizadas pelos artistas são: a gravura em Metal, a Litografia, a Xilografia e a Serigrafia.

A Gravura em Metal

A gravura em Metal é uma das mais antigas técnicas de gravura. Existem obras nesta técnica datadas de 1500, produzidas por vários gênios da Renascença. A gravação em metal estava no princípio ligada ao trabalho de ourivesaria, como obra de entalhe e desse modo voltada à ornamentação. O desenvolvimento de processos gráficos a partir do século XV, impulsionado por novas necessidades na realização de imagens impressas e na procura de técnicas que permitissem um trabalho gráfico da imagem impressa de alta qualidade e resistência às grandes tiragens e edições, encontrou no meio ligado à ourivesaria o ambiente necessário para o emprego de matrizes de metal e para o aparecimento das técnicas da gravura em metal. A gravura em encavo, deposita a tinta nos sulcos realizados pela gravação.
As ferramentas mais comuns usadas para gravar uma imagem na matriz são a ponta seca - um instrumento de metal semelhante a uma grande agulha que serve de "caneta ou lápis". Existem ainda técnicas nas quais são utilizados produtos químicos, como na água-forte e na água tinta (ácido nítrico , percloreto de ferro).
A ponta seca risca a chapa, que tem a superfície polida, e esses traços formam sulcos, micro concavidades, de modo a reterem a tinta, que será transferida por meio de uma grande pressão, ao passar por uma prensa de cilindro conhecida como prensa calcográfica, e imprimindo assim, a imagem no papel, o papel é anteriormente mergulhado na água antes de ser levado a prensa de cilindro, para melhor absorção da tinta!

Importantes gravuristas:
Albrecht Dürer (Alemanha); Piranesi (Itália); Rembrandt (Holanda); Goya (Espanha); Pablo Picasso (Espanha); Oswaldo Goeldi (Brasil); Iberê Camargo (Brasil); Lívio Abramo (Brasil); Marcelo Grassmann (Brasil); Fayga Ostrower (Brasil); Regina Silveira (Brasil).

4 comentários:

Angelo CRC disse...

Turma da Casa.. obrigado mais uma vez por divulgarem meus trabalhos!
Abraço pra todos...

Cadu disse...

Show de bola hein seu Ângelo!!!

Quando for rolar a exposição é só avisar que minha presença já está garantida :)

Muito sucesso e um grande abraço!

Cleide disse...

Angelo!
Estou impressionada com seu trabalho. Como apreciadora de arte, gosto dos artistas que além de terem técnica têm acima de tudo inspiração e sensibilidade. Seu trabalho mostra técnica apurada e muito sentimento! Fiquei fã!
Assim como o Cadu, quando houver exposição estarei lá...
Bjs!

Paulo Lisboa disse...

Fala Véi!
Já esta pondo as manguinhas de fora.Hein!`
É isto ai, vamos divulgar a gravura para quem não conhece a linguagem.
Até